quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

PÉTULA - A CACHORRINHA ABANDONADA

Num dia qualquer, na hora do recreio, alguns alunos entraram, eufóricas, com uma cachorrinha nas mãos. Fiquei observando-as, encantadas. Peguei a máquina para registrar o momento. Depois levamo-la para a dona dela. Conversando com a mesma, esta nos disse que ela encontrou uma caixa com 5 filhotes perto do lixo comunitário. A vizinha pegou uma para levar para sua mãe, que mora mais acima do morro. Durante algumas semanas, a cachorrinha ia todos os dias na escola. As crianças pegavam-na no colo, levava para a sala de aula, até que a merendeira proibiu que os alunos pegassem o animalzinho no colo, pois esta apresentava sarna e seus pelos estavam caindo. Desde que a vi, comentei com os todos da escola, que roubaria a cachorrinha para mim. Certo dia, no trevo de Morretes, estava esperando a condução que me levaria para a outra escola, comecei a conversar com uma senhora. A bem da verdade, estávamos preocupadas com um cachorro de porte médio que insistia em atravessar a BR. Foi quando disse que apareceu uma cachorrinha na escola e que eu estava com muita vontade de pegá-la, mas estava com receio porque a vizinha levaria para sua mãe. A senhora perguntou se a escola era a Canhembora, respondi que sim. Ela perguntou se a dona da cachorrinha morava na casa encostada na escola, respondi que sim. Então ela falou: - Professora, pode levar a cachorra para a senhora. Quem pegou foi minha filha e já falei para ela que não quero mais cachorro, já tenho 5. Pode pegar e levar para sua casa.No outro dia, comentei com a merendeira o mico que passei, contar que faria uma arte, justo para a mãe da vizinha que estava com a cachorrinha. Ainda comentei que a partir daquele momento não poderia mais roubar a cachorrinha, pois todos saberiam que fui eu. Passou o final de semana, eis que a vizinha mandou avisar que eu poderia levar a cachorrinha porque sua mãe, não queria mais cachorra. Bem, junto com os alunos fomos até a casa da vizinha e pedimos autorização para eu levar a cachorrinha. Voltamos, sentamos em círculo no chão e começamos a conversar sobre animais abandonados, inclusive, me retratei diante das crianças, dizendo que não podemos roubar ninguém e que estava falando em tom de brincadeira. E pedi que sugerissem um nome para a cachorrinha, cada criança sugeria um nome, saiu Mônica, Mimosa, Mimi, foi quando Isabelle falou que queria que fosse Pétula, pois ela havia assistido um filme e a fadinha tinha este nome. Assim ficou. 
Trouxe a cachorrinha para minha casa, chamei o veterinário, aplicamos as vacinas, as outras cachorras aceitaram-na com tranquilidade. Passado alguns dias, meu companheiro e eu começamos com uma coceira estranha. Qual não foi nossa surpresa (desagradável) ao sabermos que a coceira era nada mais, nada menos que sarna. Pétula também apresentava alguns bernes, segundo a vizinha da escola, todos os outros filhotes morreram de sarna, fome e bernes. O tempo está passando e Pétula está cada vez mais linda. Seu pelo cresceu e está brilhoso, já tomou a segunda dose de vacina e tenho percebido que é uma cachorrinha muito calma.
Estou muito feliz por tê-la trazido para minha casa.




Todos os alunos ficaram felizes com a cachorrinha

Cada criança queria pegá-la

Minha sobrinha Úrsula também se encantou com a Pétula

Dinha, Elzinha e Pétula

Até laço de Papai-Noel ganhou.

video

Um comentário:

  1. Os animais são incríveis. Basta atenção, cuidados e carinho e eles se recuperam bem depressa. E são sempre gratos depois disso.

    ResponderExcluir